Planejamento de áreas para pastejo rotacionado.

Patricia Menezes Santos
Embrapa Pecuária Sudeste

Marco Antonio Alvares Balsalobre
Bellman Nutrição Animal e B&N Consultoria

No pastejo rotacionado, as áreas são divididas em piquetes que são submetidos a períodos alternados de pastejo e descanso. A grande vantagem deste método de pastejo é proporcionar um maior controle sobre o manejo das pastagens. Ele permite definir quando e por quanto tempo as plantas estarão sujeitas à desfolha, os pastejos tendem a ser mais uniformes e a eficiência de pastejo mais elevada.
O primeiro passo para a implantação de um sistema de pastejo rotacionado deve ser definir os locais dos piquetes e da área de descanso. Em seguida, deve-se determinar o número de piquetes necessário e fazer as divisões. O número de piquetes depende do período de descanso e do período de ocupação indicados para a forrageira que se está trabalhando, deve ser calculado de acordo com a seguinte equação:

Número de piquetes = (período de descanso / período de ocupação) + 1

Sendo assim, quanto menor o período de ocupação para um mesmo período de descanso maior será a necessidade de número de piquetes (Tabela 1).

Tabela 1- Necessidade de piquetes para cada período de descanso e para cada período de ocupação.

Período de descanso Período de ocupação Número de piquetes
30 1 31
3 10
6 6
35 1 36
3 13
6 7
40 1 41
3 14
6 8


A existência de áreas de descanso nas pastagens trás uma série de vantagens para o sistema como, por exemplo, a possibilidade de concentrar cochos, bebedouros e sombras em um único local.

A área de descanso deve ser localizada, preferencialmente, no centro do sistema de pastejo Em algumas situações, no entanto, é interessante que ela seja colocada ao lado do sistema (ex: pasto irrigado por pivô central). A energia gasta pelos animais para ir da área de descanso ao piquete depende da distância e a declividade do percurso percorrido pelos animais. O comprimento e as características deste percurso, portanto, irão interferir na produtividade animal (Tabela 1). De modo geral, a distância entre o pasto mais distante e a área de descanso deve ser por volta de 500 m para vacas de leite, e de 1.000 m para gado de corte. Em áreas com relevo plano, esta distância pode ser maior, pois o animal irá gastar menos energia para percorrer o percurso (Tabela 2).

Tabela 2: Efeito da distância e declividade do percurso percorrido pelos animais sobre a estimativa de ganho de peso e produção de leite, obtida com o auxílio do Programa de Cornell.

Declividade Distância
  500m 1000m 2000m
  Ganho de peso (g/cabeça.dia)
5% 590 560 530
10% 580 550 500
20% 560 530 450
       
  Produção de leite (kg/vaca.dia)
5% 21,4 20,9 19,7
10% 21,2 20,5 18,9
20% 20,9 19,7 17,3


Uma das principais dúvidas com relação à montagem de áreas de descanso é quanto ao seu dimensionamento. Uma boa área de descanso deve ter um tamanho tal que permita a sobrevivência da vegetação que recobre o solo. Dentre outras vantagens, isso evita o acúmulo de lama, melhorando o estado sanitário dos animais. No caso de áreas de descanso localizadas no centro do sistema de pastejo e mais próximas aos piquetes, pode-se utilizar 30 m2/animal ou menos; já quando a área de descanso está localizada nas extremidades ou ao lado do sistema de pastejo, ficando mais distante dos piquetes, a relação deve ser de 50 m2/animal ou mais. Essa diferença ocorre, pois, quando a área de descanso fica mais distante, os animais tendem a freqüentá-la em lotes maiores.

Em uma fazenda, os animais transitam por áreas de circulação internas e externas aos sistemas de pastejo. As áreas de circulação externas são aquelas que dão acesso aos sistemas de pastejo e as internas aquelas que permitem a circulação dos animais entre os piquetes e a área de descanso. O dimensionamento adequado das porteiras e corredores das áreas de circulação ajuda na prevenção de acidentes com os animais.
Para o dimensionamento de corredores e porteiras é preciso considerar-se o tamanho médio dos lotes de animais e se haverá ou não transito de máquinas e equipamentos na área. Por exemplo, em uma área de 100 ha com um lote de 500 UA, pode-se utilizar corredores de 10 a 15 m e porteiras de 5 a 8 m.


A PLANO AGRADECE OS AUTORES PELA GENTIL COLABORAÇÃO.


SETEMBRO DE 2.004